O plano de desenvolvimento individual, também conhecido pela sigla PDI, equivale ao planejamento estratégico feito por empresas. É usado por pessoas visando a atingir metas ou cumprir objetivos específicos.

O PDI pode tornar possível aquele sonho aparentemente distante justamente porque coloca “na ponta do lápis” tudo que precisa ser feito para chegar lá. Tal como um mapa, serve para orientar ações e rumos, tendo em vista uma ou mais metas traçadas.

Por esses e outros motivos, é necessário disciplina, comprometimento consigo mesmo e uma boa dose de resiliência. Afinal, como diria Tio Ben, “grandes poderes, grandes responsabilidades”.

Veja na sequência como começar a montar o seu, começando por entender suas vantagens e de que forma aplicá-lo. Independentemente da meta, acredite, é possível alcançá-la!

Quais as vantagens de adotar um PDI

Desenvolver novas competências

O plano de desenvolvimento individual se baseia em identificar necessidades ou desejos que sejam realizáveis, dentro de um prazo e conforme os recursos disponíveis. Por isso, o primeiro passo a ser dado é estipular um objetivo mais ou menos tangível. E se para você não parece tão claro assim escolher um — lembre-se que sonhar não custa nada! —, pense em algo que você possa conseguir em um período não tão longo assim.

Pode ser um bem de consumo, um nova habilidade ou mesmo uma viagem, por exemplo. Isso porque a experiência mostra que o PDI gera resultados melhores quando pode ser realizado entre 3 meses e um ano. Acima disso, o ideal é elaborar novos planos, de maneira a atingir metas gradativamente.

Dessa forma, o PDI é antes um método que induz ao aprimoramento necessário de novas competências individuais. Você perceberá que todo objetivo, até mesmo a aquisição de bens materiais, exige o aprendizado de algo até então desconhecido. Como em uma jornada em direção a um lugar totalmente novo, cada passo representa a oportunidade de aprender algo inédito.

Estabelecer metas melhores

Além da chance de desenvolver novas competências, o PDI também apresenta como vantagem o realinhamento de expectativas. Se antes os objetivos pareciam não existir, ou simplesmente era difícil traçá-los, a tendência é que a qualidade de suas metas melhore.

Por conta da mensuração, você passará a compreender que quase tudo pode ser traduzido em números, isto é, em coisas quantificáveis. É por isso que se recomenda escolher metas que sejam realizáveis dentro de um período de tempo não tão longo: galgando etapas menores, objetivos maiores podem ser alcançados.

Melhorar o foco e a concentração

A bem da verdade, por mais que a tecnologia e a internet mobile sejam essenciais, existe um certo preço a se pagar por tanta conectividade. Nesse aspecto, considere o que diz um estudo publicado no Journal of Experimental Psychology. De acordo com os pesquisadores, uma simples notificação de mensagem pelo WhatsApp aumenta em 3 vezes a chance de se cometer erros em tarefas.

Uma das conclusões a que os cientistas chegaram é que as notificações levam à divagação e a pensamentos irrelevantes. Em tempos de comunicação ininterrupta, estar focado se tornou um desafio — e, sem foco, não se chega a lugar algum.

Este seria um bom motivo para investir em si mesmo e em um plano de desenvolvimento individual. A capacidade de se concentrar em um objetivo é fundamental para o sucesso e, em tempos de distrações na palma da mão, trata-se de um poderoso ativo individual.

Como aplicar o plano de desenvolvimento individual na prática

Conhecendo alguns dos benefícios indiretos que o PDI inevitavelmente traz, fica mais fácil prosseguir na tarefa nem sempre prazerosa de encarar medos e expectativas de frente. Veja a seguir de que forma você poderá elaborar um plano que dê conta da realização de suas metas.

1. Alinhar expectativas

Se você pretende fazer uma viagem, o que espera encontrar ao chegar lá? Será que suas expectativas são realistas o bastante? Por outro lado, pode ser que você esteja subestimando suas próprias capacidades.

Como você já viu, a prática recomenda que o PDI seja cumprido em um prazo que varia de 3 meses a um ano. Logo, é dentro desse período que você deverá trabalhar, começando primeiro pelo alinhamento de suas expectativas.

Por exemplo, vamos supor que você tem como meta uma promoção na sua empresa. Para isso, precisa de um curso que leva 2 anos, logo, não se pode esperar que você consiga o que quer na metade desse tempo, certo? Vá se preparando e se capacitando por meio dos melhores cursos na sua área.

2. Saber qual é o destino pretendido

Antes mesmo de definir uma meta, é necessário se inteirar sobre as consequências que a sua realização causa. Você já deve ter feito parte dessa tarefa ao alinhar as expectativas, portanto, aqui deve avançar nessa análise.

E se o PDI é como um planejamento estratégico para empresas, nada o impede de se inspirar ainda mais no mundo empresarial e fazer um benchmarking pessoal. Trata-se de mirar em casos e experiências de terceiros, para extrair deles lições e, assim, assimilar seus métodos.

No caso da promoção você poderá buscar saber que tipo de vida levam as pessoas que exercem cargos semelhantes, como quem ocupa um cargo de gerência, por exemplo. Será que ganham bem? Têm qualidade de vida? Que responsabilidades assumem? Considere tudo isso e escolha um destino com conhecimento de causa.

3. Desenvolver um mapeamento de competências

Essa é a parte do PDI focada no agora. Mapear suas competências significa avaliar suas forças e fraquezas hoje. Faça uma lista de pontos positivos e negativos da forma mais isenta possível. Nessa etapa, é bastante útil analisar os seguintes elementos, considerando que trabalhar seus pontos fracos significa aprender novas habilidades:

  • impacto: de que forma a habilidade influencia para chegar ao objetivo;
  • urgência: o quanto a habilidade é indispensável agora;
  • desejo: o quanto você realmente quer desenvolver essa competência.

4. Ter um tutor

Ninguém se desenvolve sozinho, por isso, quanto mais orientação de pessoas experientes você tiver, melhor. Aqui vale usar novamente o benchmarking, portanto, busque conhecimento em pessoas que já alcançaram metas como as que você definiu. Se elas puderem acompanhá-lo ao longo do processo, como tutores, melhor ainda!

5. Elaborar um plano de ação

Definido um objetivo, sabendo das consequências de atingi-lo e conhecendo todos os seus pontos fortes e fracos, é hora de agir. O plano de ação compreende as medidas práticas necessárias para a concretização do PDI. Um novo cargo, por exemplo, certamente vai exigir a matrícula em algum curso, que, por sua vez, demanda recursos, transporte e uma fonte de financiamento. Por exemplo: deseja se inserir na área de marketing? Entenda qual é a formação ideal para esse profissional.

O importante é que seu plano de desenvolvimento pessoal seja tão minucioso quanto possível. Não deixe pontas soltas e procure identificar tudo que possa ameaçar o seu cumprimento, assim, fica mais fácil se manter na rota do sucesso.

Curtiu o artigo e quer ficar por dentro de outras dicas como essa? Siga nossas redes sociais!